Mulheres Negras e Violência No Brasil

A violência contra mulher é um debate presente.

sos-corpo-5825861-4574102
Fonte: SOS Corpo

Apesar das leis criadas, ainda há muitas mulheres negras sendo assassinadas e sub-notificadas.

O Que é Violência?

A priori, é interessante conceituarmos o que é violência. É só um tapa na cara? Um chute? Uma surra? Sim, são violências físicas. Mas, graças aos progressos e lutas constantes de movimentos políticos, classificamos e consideramos também violências aparentemente mais sutis. Mas, ainda assim, não consigo imaginar outra palavra: são violentas e causam profundas marcas em mulheres que passam por essas situações, ainda que de maneira “inconsciente”.

Mulheres Negras e Violência no Brasil. Fonte: HuffPost Brasil

De acordo com a Lei Maria da Penha, especificamente o 5º artigo, classificam como violência doméstica e familiar qualquer ação ou omissão baseada no gênero que causa sofrimento físico, sexual ou psicológico; lesões, morte ou dano moral e patrimonial.

Sabe quando você escuta uma mulher dizendo: “Elx sempre diz que não sou tão boa/tão legal/tão importante (ou qualquer coisa semelhante a), então elx deve estar certo.”

Elx: pois mulheres amam de maneiras diferentes.

Vamos considerar particularidades, ok?

Por que se preocupar com mulheres negras?

Dentro de bolhas sociais, muitas vezes é difícil ter a empatia suficiente para compreender que mulheres negras têm outras demandas históricas e sociais. Mas, ao se informar um pouco, é difícil não se comover.

Como explicita, infelizmente, o infográfico acima, quase 60% das mulheres negras são vítimas de violência doméstica; quase 63% sofrem mortalidade materna e quase 66% sofrem de violência obstrética. E, ainda, quase 70% morrem por agressão.

Parece coincidência? Acho que não, considerando um país que foi o último a abolir a escravidão; considerando um país que só aboliu a escravidão pela imigração europeia e asiática no início da industrialização.

Outra faceta que é importante salientar: Boa parte das mulheres negras brasileiras moram na periferia e muitas, infelizmente, não têm ou não tiveram acesso à educação. O que resulta em uma cadeia de processos e reflexos sociais.

Além de tantos absurdos históricos, depois de quase 300 anos de senzala, incentivou a imigração, os “intelectuais” da época achavam que a população brasileira estava “negra demais” e precisava “embranquecer”.

debret-1-5358653-2319989
Um Jantar Brasileiro – Jean-Baptiste Debret

Vemos no quadro acima o retrato de um jantar corriqueiro no Brasil Colonial: mulheres negras cuidando dos afazeres domésticos enquanto uma família de homens brancos come à mesa. Não soa absurdo você observar uma pessoa comer?

Lembrando que o Brasil é o país com a maior parcela de domésticas no mundo e, pasmem: boa parte das empregadas domésticas são mulheres negras. Não é difícil entre elas os relatos de assédio, abusos psicológicos, abusos verbais, agressão e um rasgo cotidiano em direitos trabalhistas. Quando encontram algum patrão que as deixam usar o banheiro da casa, agradecem (?)

Veja a palestra da Preta Rara, historiadora, rapper e empregada doméstica.

Fim do Texto Sobre Mulheres Negras e Violência no Brasil

Espero que goste do texto e continue lendo nosso blog. =D

Add Comment