Direitos da Mulher e Direitos Humanos

Uma parcela negligenciada, tão complexa e de vários recortes sociais.

Direitos da Mulher

O fato é que, apesar das lutas presentes, muitos avanços em direitos da mulher foram dados e continuaremos.

Entre lutas e conquistas

Até 1962, as mulheres só poderiam trabalhar caso o marido permitisse, lei impsota pelo Código Civil de 1916. Esse retrocesso foi encerrado através de mobilizações até que tal direito fosse reconhecido juridicamente. Outros absurdos marcantes, entre tantos, na história do Brasil é que, caso os maridos matassem ou estuprassem suas esposas por honra era aceitável e permitido legalmente.

Gabriela, cravo e canela: Indicação de obra literária e cinematográfica

Essas doutrinas são encenadas na obra Gabriela de Jorge Amado, na qual uma mulher é morta ao trair seu marido, depois de um histórico de maus tratos. O link indicado é do filme de 1983. Um clássico da literatura e cinema brasileiro.

Mulheres e os Direitos Humanos

Ao longo dos anos, conquistamos direitos reconhecidos. Em alguns pontos reuni dois ou mais direitos para que você perceba a relação entre eles.

Direitos da Mulher e Direitos Humanos

Mas quais são? Vamos lá!

Direito à vida

Parece algo óbvio, não é? Bem, não é bem assim. Como te disse anteriormente, os maridos poderiam matar suas esposas em casos de “lavar a honra” e tratá-las como bem entendessem, pois eram propriedades passadas de pai para esposo. Não é difícil lembrar que, até há poucas décadas atrás, os pais arranjavam os casamentos das filhas pelos próprios interesses econômicos.

Direito à liberdade e segurança pessoal

Antes a mulher era, praticamente, uma propriedade, pois era tida como “o outro” como bem citado no livro Segundo Sexo de Simone de Beauvoir.

“Mas o que isso significa?”

Significa que era considerado que a mulher não era dotada de exercer plenamente capacidades mentais, cognitivas e de tomadas de decisão.

Direito à igualdade e estar livre de discriminação

Foi um grande avanço ter esse direito institucionalizado, porém, mesmo dentro do movimento feminista, há muitas vertentes e recortes sociais a se considerar.

É preciso lembrar que há mulheres negras, indígenas, brancas, de classes sociais, orientação sexual e necessidades distintas. Um vídeo muito interessante é o da Preta Rara em sua palestra “Eu Empregada Doméstica”.

Direito à liberdade de pensamento, informação e educação e aos benefícios do progresso científico

Eu me lembro que minha mãe me conta que, nos anos 70 e 80, minha avó tinha muitos filhos, mesmo não tendo a menor condição financeira de criá-los. Minha mãe, muito questionadora, perguntava sobre o uso do anticoncepcional e ela dizia que era pecado. Bem, por um tempo nem se falava e depois se demorou muito para chegar ao acesso da maioria das mulheres.

Veja a história de dona Maria, que só foi estudar depois dos 50 anos. Era uma realidade muito comum para mulheres até o século passado, ao menos no Brasil, já que entendiam que só era necessário aprender atividades domésticas para servir ao casamento pretendido.

Aqui também trago uma história linda de Silvana, que diz que se reinventar é preciso.

Direito à privacidade

Nem preciso dizer sobre a privacidade, não é mesmo?

Direito à saúde e sua proteção, além de escolhas relacionadas à maternidade, construir seus relacionamentos e planejar sua família

Além dos cuidados quanto à saúde da mulher como as campanhas de câncer de mama, câncer de colo de útero e outras necessidades, também é garantido por lei as escolhas em relação à maternidade: ter ou não ter filhos e quanto tê-los.

Veja a história de Ana que não deseja a maternidade.

Direito à liberdade de reunião e participação política

O voto feminino só foi permitido no Brasil na década de 30, com a nova Constituição.

Direito a não ser submetida a torturas e maus tratos

O que dizer, não é mesmo? Denuncie!

Fim do Texto Sobre Direitos da Mulher e Direitos Humanos

Obrigada por ler até aqui! Acompanhe nossos posts! =D

Add Comment