Teste da orelhinha, para que serve e como é feito?

Como é feito o teste da orelhinha nos bebês recém nascidos

Olá pessoal,tudo bem??

Vamos falar hoje sobre um dos  testes que e 

muito importante e que os recém nascidos 

devem fazer, nos primeiros dias de vida que é o 

Teste da Orelhinha e vamos aprender um 

pouco mais sobre a importância desse teste.


O “teste da orelhinha” é um teste obrigatório 


por lei(RANU-Rastreio Auditivo 

Neonatal Universal), feito ainda na 

maternidade, nos bebês para avaliar a audição 

detectar precocemente algum grau de surdez 

no bebê. 

Este teste é gratuito, fácil e não machuca 

bebê.

Como é feito o teste da orelhinha?


O teste da orelhinha é feito através da colocação de um fone no ouvido do bebê para 

detectar problemas auditivos, como a surdez, que dificultam a fala e aprendizagem da 

criança. Se o teste da orelhinha detectar algum problema, o bebê é encaminhado para o 

médico otorrinolaringologista, que irá orientar o melhor tratamento para o problema 

diagnosticado.

Veja algumas imagens do teste da orelhinha:

xoadl9e-8931381


Quando fazer o teste da orelhinha?

O teste da orelhinha deve ser feito, de preferência, no 2º ou 3º dia de vida do bebê, 

porém pode ser realizado até aos 3 meses.

O grande problema é que a maioria dos diagnósticos de perda auditiva em crianças 


acontece muito tardiamente, com três ou quatro anos, quando o prejuízo no 


desenvolvimento emocional, cognitivo, social e de linguagem da criança está seriamente 


comprometido.

Fácil, rápido e sem dor – 

Recado para as mamães: o Teste da Orelhinha é realizado com o bebê dormindo, em 

sono natural, é indolor e não machuca, não precisa de picadas ou sangue do bebê, não 

tem contra-indicações e dura em torno de 10 minutos. 

Há os chamados bebês de risco para a surdez. São os casos em que já existe um histórico 

de surdez na família, intervenção em UTI por mais de 48 horas, infecção congênita 

(rubéola, sífilis, toxoplasmose, citomegalovirus e herpes), anormalidades craniofaciais 

(má formação de pavilhão auricular, fissura lábio palatina), fez uso de medicamentos 

ototóxicos, entre outros. Se o Teste da Orelhinha já e importante para uma criança sem 

problemas, imagine para essas crianças.

Mas todos os bebês devem fazer o Teste. Em bebês normais, a surdez varia de 1 a 3 

crianças em cada 1.000 nascimentos, já em bebês de UTI Neonatal, varia de 2 a 6 em 

cada 1.000 recém-nascidos. A avaliação Auditiva Neonatal limitada aos bebês de risco é 

capaz de identificar apenas 50% dos bebês com perda auditiva.

A deficiência auditiva é a doença mais freqüente encontrada no período neonatal quando 

comparada a outras patologias. Só como exemplo, o Teste do Pezinho aponta uma 

criança em cada 10 mil nascimentos, muito menos que o da Orelhinha.

Portanto, o Teste da Orelhinha é algo fundamental ao bebê, já que os problemas auditivos afetam a qualidade de vida da criança, interferindo no processo da fala, entre muitas outras coisas.

É como uma bola de neve: a criança cresce e tem dificuldade em ouvir ou se expressar e, 

com isso, sente mais dificuldade em se socializar. Isolada por não ter fácil acesso ao 

grupo de amiguinhos, ela pode apresentar depressão. E por aí vai.

Para que isso não aconteça, procure o pediatra, um médico otorrinolaringologista ou 

uma fonoaudióloga quando houver alguma suspeita de perda auditiva no seu filho.


O teste é obrigatório por lei?

Sim. Desde o dia 2 de agosto de 2010 o exame é obrigatório e gratuito.

*Informações e imagens retiradas da internet

12 Comments

  1. FamíliaNossoBlogDiário 27 de agosto de 2015
  2. Blog Ariane Baldassin 27 de agosto de 2015
  3. Jamilly LIma 28 de agosto de 2015
  4. Unknown 28 de agosto de 2015
  5. Anônimo 28 de agosto de 2015
  6. Prosa Amiga 28 de agosto de 2015
  7. Unknown 29 de agosto de 2015
  8. De mãr 29 de agosto de 2015
  9. Katti souza 30 de agosto de 2015
  10. Anônimo 30 de agosto de 2015
  11. Aline Motta 31 de agosto de 2015
  12. Maria Babona 31 de agosto de 2015

Add Comment